subindo-pelas-paredesA primeira noite de Caroline em seu novo apartamento é promessa de que dias – e noites – agitada virão. Ela não poderia imaginar que dividira a fina parede de seu quarto com um cara capaz de deixar uma mulher completamente maluca na cama. Aliás, uma não Caroline já contou pelo menos três gritos e gemidos diferentes.

Conviver toda madrugada com a animação do apartamento ao lado deixa Caroline ainda mais afundada na crise sexual que a acompanha há tempos. Mas ela nem sequer pode imaginar que o vizinho que ela abomina pode ser o único capaz de lhe trazer de volta seus orgasmos.

Em “Subindo pelas paredes”, Alice Clayton mistura humor paixão e boas doses de sensualidade, capazes de fazer qualquer uma cair de joelhos e se apaixonar.

Título: Subindo Pelas Parede
Autor(a): Alice Clayton
Série: Cocktail 

Editora: Benvirá
Ano: 2014
Páginas: 276

O QUE ACHAMOS:

GÊNERO: 

RESENHA

Primeiramente fiquei sabendo que o livro foi escrito como uma fanfic de crepúsculo, e eu honestamente estou até agora tentando encontrar uma relação entre os dois livros. Felizmente não encontrei.

Quero começar dizendo que gostei do livro, porque estou deixando claro desde o início? Porque não posso deixar de falar de erros que me acompanharam durante a leitura e que eu preciso desabafar em alguém, então pessoas….são vocês.

Caroline acaba de mudar para seu apartamento dos sonhos, morar sozinha, ter uma vida tranquila junto com seu gato Clive (que merece um paragrafo só dele logo adiante), porém logo em sua primeira noite muito barulho e várias batidas em sua parede tiram seu sono, e a despertam para sua nova realidade, a de que tem um vizinho extremamente bom de cama que arranca gritos de suas parceiras além de fazer bater a cama na parede somente com seu quadril.

Caroline, que nome mais horrível para colocar em um personagem, primeiro porque ele é enorme e durante a leitura não resisti ao impulso de chama-la de Carol, era irritante repetir mentalmente o nome inteiro, segundo que…..não sei, só não gostei mesmo. Hahahahaha. Designe de interiores, engraçada, espirituosa, além de linda.

Simon…suspiros…ah…Simon. Lindo, charmoso, lindo, engraçado, lindo, fotografo, já falei lindo? Além de ser um amante perfeito….suspiros.

Havia uma parte de mim, que sabia que ela poderia mudar potencialmente alterar a trajetória da minha vida, e essa merda me dava medo. (Simon)

O livro me arrancou muitas risadas, pessoas comuns com diálogos simples, porém cheios de humor e sarcasmo, resultado um livro engraçado e fácil de ler.

 

Porque eu tinha finalmente descoberto o segredo de todos os tempos. Como você faz uma risada de um Bate-Parede parar? Você o beija….

Além do casal de protagonistas temos a participação ativa de Clive, o gato de Carol, sério o gato simplesmente é sensacional, e depois de Simon ele é meu preferido.

Carol é uma menina comum, mundana, cheia de sonhos, batalhadora, real, tão real que é possível compará-la aquela nossa amiga, ou aquela conhecida. Cheia de pensamentos loucos, capaz de se colocar nas situações mais vexatórias possíveis, Carol ganhou meu respeito rapidamente. Ela é gente como a gente, quero dizer mais ou menos, porque conquistar um bate parede não é fácil né….

A química entre os protagonistas sai das paginas do livro e nos contamina. A tensão sexual envolvendo a trama e a lentidão com que tudo é vivido e narrado me deu urticária, síndrome da inquietação e transtorno de ansiedade, entre outras moléstias que só foram curadas quando li a palavra FIM.

O beijei como se o mundo estivesse prestes a acabar. Não foi doce e hesitante, foi pura frustração carnal cravada com vodu bate e enrolada em uma bola gigante de por favor-Deus-me-deixe-viver-na-boca-desse-homem-por-todo-o-futuro-proximo.

Uma das coisas que mais gostei do livro é o fato de que as aparências enganam. E que muitas vezes julgamos mal as pessoas por uma situação –isolada, sem saber o contexto todo.

Quer parar com isso? Já falou o suficiente sobre essa merda de harém; E se eu lhe dissesse que essas três mulheres são incrivelmente importantes para mim? Que eu me importo muito com elas e elas comigo. Que a relação que tenho com elas funciona para nós, e ninguém precisa entender isso, entendeu?(Simon).

Mais dois casais compõem o núcleo de personagens do livro, duas amigas de Carol e dois amigos de Simon, houve momentos em que todos estavam conversando deixando o livro muito confuso, e confesso que em algumas partes eu me perdi realmente.

O livro está em primeira pessoa com narrativa alternada entre Simon e Carol, porém em um trecho pequeno do livro os amigos narram também, eu particularmente não gostei, ficou chato e não havia necessidade.

Outro ponto negativo do livro são as mensagens trocadas entre os protagonistas e seus amigos, mais uma vez sem necessidade, confesso que depois de um tempo fui pulando essas partes.

Socorro, eu amei a busca de Carol por seu orgasmo perdido, sério, foi o ponto alto, muito bom mesmo.

Até esse ponto em minha vida, eu tinha levado a crença de que o sexo é como pizza. Mesmo quando é ruim, ainda é muito bom. Agora eu odeio pizza.

Bom como já disse no início eu gostei do livro, ri muito apesar de alguns pontos irritantes, mas no geral o livro é bom. E Simon é meu mais novo objeto de desejo…..kkkkkkk

Eu gemia como uma prostituta na igreja. Para ser honesta, eu realmente nunca ouvi um gemido de uma prostituta na igreja, mas eu tive uma sensação de que ela soava muito parecida com o som profano que estava transbordando da minha boca. (Carol)

Subindo pelas paredes é um livro de leitura leve, clichê e que ao ler já sabemos como será o final, porém não dá para largar antes de terminar a última página.

Se recomendo? Simmmm

Romântica por natureza, choro, sofro e vivo as histórias e estou com uma vontade imensa de compartilhar essas emoções.
SUBINDO PELAS PAREDES – Alice Clayton
Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *