Eu submissaJesse Ward queria Ava O’Shea e a teve. Em poucas semanas, esse empresário sedutor se revelou intenso, temperamental e controlador, mas também gentil, carinhoso e protetor. Após um turbilhão de emoções e sensações, Ava se rendeu à paixão, mas acabou se afastando depois de conhecer um lado obscuro de seu amante, que parecia perfeito demais para ser verdade. Longe dele, a talentosa decoradora se sente vazia, incompleta, em total agonia. Mas, assim como um vício, ficar longe do empresário era a única maneira de sobreviver, considerando sua faceta autodestrutiva. Porém, não se escapa de Jesse Ward, e Ava devia saber disso! Por outro lado, Jesse também sofre com a montanha-russa de emoções que a chegada de Ava em sua vida proporcionou, e é pego de surpresa por seus próprios sentimentos, além de uma dependência doentia por seu objeto de desejo. Passados cinco dias desde que foi deixado por Ava, bêbado e furioso, em sua luxuosa cobertura, num bairro sofisticado de Londres, ele volta a encontrá-la e a controlá-la com suas inebriantes técnicas de conquista. Mas Ava está determinada a descobrir a real faceta que o empresário esconde com a ajuda de uma entourage de amigos e funcionários fiéis. A missão é ambiciosa, mas ela não vai desistir!

Eu, submissa é o segundo livro da trilogia O Amante. Essa resenha pode conter spoiler do primeiro livro.

Após Ava descobrir o grande segredo de Jesse, (que não era tão segredo porque qualquer um poderia ter deduzido) e suas atividades para ganhar a vida e prazer não tinham nada haver com um hotel ou resort e sim uma casa de swing ou algo similar, ela põe um ponto final no romance e o abandona, Jesse fica louco e absolutamente perdido.

P.S. ele não fica maluco, ele é maluco. Maluco mesmo digno de terapia e camisa de força.

Eu não entendi muito bem a reação de Ava diante da revelação, achei muito exagerada e preconceituosa inclusive. Bom, não foi porque ele mentiu, escondeu, ou mesmo porque o Sr. Ward fazia parte do pacote de serviços sexuais oferecidos por seu empreendimento e sim, pelo simples fato do rapaz possuir uma casa de prazeres. Preconceito puro.

– Eu preenchi uma existência vazia, com bebida e mulheres. Eu nunca me importei.

Decorridos alguns dias após o termino, Ava já perdoou o homem  e convencida pelos amigos de Jesse, que estão preocupados porque o maluco  está trancafiado em sua cobertura luxuosa a dias sem atender ninguém, ela vai atrás dele e depara-se com outro problema….o álcool. Ava encontra Jesse bêbado em coma.

Jesse bebe quando  não consegue controlar seus sentimentos, ou seja, sempre….. (porque o homem é maluco e malucos são instáveis e incontroláveis). Nosso protagonista só  não bebe quando está com Ava, porque a mulher o deixa  tão louco, que ele acaba esquecendo de beber…hahahaha.

Mas ele não é alcoolatra. Claro que não.

A partir desse ponto o livro fica mais interessante, porque Jesse esconde outros segredos, que vão sendo revelados, criando um clima de tensão e expectativa de qual será a postura de Ava diante das revelações, mas, para minha decepção, Ava continua a mesma, sem personalidade e irritantemente submissa…ah, esse é o nome do livro…tá explicado.

– Eu desejo controlar você, Ava. Eu não consigo evitar. Eu realmente não consigo.

Não posso negar que Jesse pode ser apaixonante também. Quando não está sendo contrariado, ou quando ele tem tudo sob seu controle e radar, o homem é amoroso, arrancando suspiros.

– Eu tenho emprego, uma vida.

– Eu quero ser a sua vida – Ele diz, calmamente (Jesse)

Pára tudo produção!!!!!

O que é aquela contagem regressiva…. quando Ava não obedece  (sim, a palavra é obedece), Jesse conta até 3 e quando chega no zero ele parte pra cima da garota para puní-la, geralmente com sexo intenso e torturante, só terminando o ato caso ela concorde com sua exigência.

Juro, quando ele começava 3….2 eu tinha vontade de gritar. O pior era ver Ava correndo feito uma criança. Oxi coisa mais maluca.

A linguagem continua fácil, porém o livro é longo e chato. O enredo é fraco tornando tudo muito cansativo, assim como no primeiro livro.

Como sempre digo, sou uma viciada em livros, leitora ávida, adoro a sensação e os sentimentos que os histórias me despertam, porém esse livro não me fez sentir nada, além de raiva e frustração.  Também senti vontade de rir, porque algumas partes são tão absurdas que achei muita graça, e acabei rindo muito.

Não posso deixar de comentar a parte em que Ava para provar seu ponto, submete-se a uma sessão de chicotadas. Eu cai na gargalhada, foi o ponto alto do livro, muito bizarro.

Preparem-se para a sessão sexo. Sexo lembrete, sexo de reconciliação, sexo sem sentido, sexo para provar um ponto, sexo punição, sexo por sexo. Ok, é gostoso uma cena de sexo bem escrita, mas nesse livro o exagero foi tamanho que pra mim virou piada. Sexo humor….hahaha batizei esse.

Mais uma vez que me perdoem as fãs dessa serie, mas o livro é muitooooo ruim.

Se Recomendo? continuo na mesma….Não

 

Romântica por natureza, choro, sofro e vivo as histórias e estou com uma vontade imensa de compartilhar essas emoções.

Posts Relacionados

EU, SUBMISSA – Jodi Ellen Malpas
Classificado como:                

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *