Eu sou ozzyOzzy Osbourne é um dos nomes mais importantes no rock. Ao formar a banda Black Sabbath, ele ajudou a moldar um estilo que, anos mais tarde, se tornaria conhecido no mundo todo e adorado por milhares de fãs. Além do impacto musical, sua personalidade carismática e desvairada foi responsável por sua popularidade. Nos anos loucos em que esteve à frente do Sabbath, Ozzy protagonizou episódios de exageros com drogas, os quais resultaram em sua saída do grupo. Iniciou uma carreira solo bem-sucedida, também permeada pelos excessos. Após a morte trágica do guitarrista de sua banda e grande amigo Randy Rhoads em um acidente de avião, Ozzy diminuiu o ritmo e a intensidade de seu comportamento, mas nunca o talento. Lançou discos excelentes que se tornaram clássicos e voltou a se reunir em algumas turnês com a antiga formação do Black Sabbath. Formou uma família tão feliz quanto insólita, o que lhes rendeu o convite para protagonizarem um reality show na MTV, “The Osbournes”. Nesta autobiografia, o “madman” conta em detalhes e com muito humor sua trajetória de sucesso, escândalos, amor e muito rock ‘n’ roll.

Título: Eu Sou Ozzy
Autor(a): Ozzy Osbourne
Série: –

Editora: Benvirá
Ano: 2010
Páginas: 384

O QUE ACHAMOS:

GÊNERO: –

RESENHA

Tenho vergonha em dizer aqui que não me lembro de um único livro biográfico ou autobiográfico que já tenha lido. Sei lá, nunca realmente me interessaram. Sempre achei que seriam entediantes e muito muito redundantes. Mas então vem uma figura chamada OZZY, que nem se chama Ozzy, me nocauteia e fez-me rever tudo que achava a respeito desse tipo de leitura.

Cresci ouvindo rock junto com irmãos mais velhos malucos de calça rasgada, entendam, eu não tinha muita opção também. E agora meu irmão mais velho me emprestou esse livro, recomendou e disse que eu iria adorar, afinal temos o rock nas veias… certo? kkkkkk

O livro é Autobiográfico, agora imagina só 384 paginas de puro rock´n´roll, a descrição exata da vida de um Rock star. Pode imaginar como deve ser? Drogas, sexo, rock e muita confusão…. exatamente. Eu amei tudo desde a primeira página.

As pessoas me perguntavam onde eu “me inspirava para a moda”, e eu respondia: “Minha inspiração é a completa falta de grana, nem mesmo tomo banho.”

O livro conta a vida de John Osbourne, desde sua infância até 2009, quando o livro foi escrito. Então temos aqui várias fases da vida de Ozzy, a infância difícil, a vida de artista, a formação do Black Sabbath, sua saída da banda, a carreira solo, o reality show e muita coisa no meio disso.

O mais marcante no livro é o uso exclusivo de álcool e drogas, e eu digo exclusivo porque o cara passava o tempo todo chapado, a quantidade de substancias proibidas ou controladas que ele ingeria era tão absurda que seria capaz de matar qualquer pessoa… menos Ozzy claro.

Mas alguns podem pensar que o livro seja pesado, por retratar tantas drogas, mas eu afirmo que não. Eu ri muito, mas muito mesmo. Ozzy é simplesmente hilário, louco de pedra e somado ao álcool, remédios e drogas ele protagonizava as situações mais loucas que já li.

Uma noite, Tony estava tão louco por ter fumado que decidiu tocar flauta, mas perdeu o sentido de distancia,, então colocou a flauta no queixo, em vez colocar na boca. Então, durante toda a música, ele estava parado lá, assoprando no microfone, com a flauta longe da boca e a plateia se perguntando: Que porra é essa?

Parece absurdo ter gostado de um livro que fala de drogas do começo ao fim e é narrado por alguém que estava louco o tempo todo e sequer tem muitas lembranças. Mas confie em mim, o livro é bom, vale cada linha.

Em geral essa é a vida de Ozzy, mas algumas coisas na leitura se destacaram pra mim.

Sua curta carreira de ladrão. Genteeee eu quase tive um ataque de tanto que ri de sua tentativa de ser ladrão, engraçadíssimo, o bom humor que ele conta tudo é que mais me impressionou.

As influencias dos Beatles, eu sei que todos gostavam dos Beatles, mas eu francamente não imaginava Osbourne influenciado por eles, para mim foi uma verdadeira revelação. Mais ou menos como se pensassem assim, “Amamos tanto os Beatles que iremos fazer exatamente o contrário em tudo”. Acho que foi isso.

A luz se acendeu na minha cabeça quando ouvi aquele disco. Fui sugado. As harmonias de Lennon e McCartney eram mágicas. Eles me tiraram de Aston e me levaram para o mundo dos Beatles.

O Black Sabbath não era uma banda satânica, ao contrário eles morriam de medo de espíritos, monstros entre outros seres das profundezas…. essa me pegou desprevenida. Fiquei muito impressionada como além de não darem a mínima para essa coisa toda mal assombrada, ainda sentiam medo. Somente pose e Marketing.

Ozzy não comeu o morcego de propósito.

Ozzy teve AIDS por 24 horas. Ou pensava que tivesse.

E por fim não menos importante, a vida do rock era exatamente como eu imaginava.

Foi muito importante ver a importância que Sharon teve na vida de Ozzy, apesar dos vícios ela era seu porto seguro, e conseguimos ler no livro o amor que ele sente por sua família.

Alguns podem pensar que o livro é uma apologia às drogas, mas eu afirmo que não, ao contrário, apesar do bom humor Ozzy descreve em incansáveis vezes tantas coisas que perdeu porque estava chapado. O quanto da vida dos filhos ele não participou porque estava bêbado ou sob influencia de alguma droga. Ele perdeu a banda que amava a família mais de uma vez, a saúde, dinheiro, contratos e muita coisa, por um vício. Então não venham dizer que o livro incentiva, porque o que eu li foi um relato dramático da devastação do vício. Que sirva de alerta.

E cheirava outra carreira. Foi incrível como ela tomou conta rapidamente das nossas vidas. Chegamos a um ponto em que não conseguíamos fazer mais nada sem ela. Aí chegamos a um ponto em que não conseguíamos fazer nada com ela, também.

Mas o que mais gostei nesse livro? A leveza e a forma cotidiana com que tudo é narrado parecia que Ozzy estava sentado na minha sala me contando tudo, em primeira mão, de forma fácil, engraçada e muito mundana, apesar de todas as bizarrices eu por vezes me peguei comentando, respondendo e rindo.

Sempre gostei de Ozzy, não era a super fã, mas qualquer pessoa sabe reconhecer um bom trabalho, mas eu confesso que depois de ler esse livro eu virei mega fã. Pela sinceridade, simplicidade e principalmente pelas risadas…. rs.

É assim que discos deveriam ser feitos, na minha opinião. Não me importo se você está fazendo próximo Bridge Over Troubled Water – demorar cinco, dez, ou quinze anos para fazer um disco, como o Guns N´Roses, é algo simplesmente ridículo, fim da história. Durante esse tempo, sua carreira morreu, ressuscitou e morreu de novo.

Se recomendo? SIMMMMMMM

Romântica por natureza, choro, sofro e vivo as histórias e estou com uma vontade imensa de compartilhar essas emoções.
EU SOU OZZY – Ozzy Osbourne
Classificado como:    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *