50-Tons-de-Liberdade (1)Quando a ingênua Anastasia Steele conheceu o jovem empresário Christian Grey, teve início um sensual caso de amor que mudou a vida dos dois irrevogavelmente. Chocada, intrigada e, por fim, repelida pelas estranhas exigências sexuais de Christian, Ana exige um comprometimento mais profundo. Determinado a não perdê-la, ele concorda. Agora, Ana e Christian têm tudo: amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades a sua frente. Mas Ana sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar. Ana precisa se ajustar ao mundo de opulência de Grey sem sacrificar sua identidade. E ele precisa aprender a dominar seu impulso controlador e se livrar do que o atormentava no passado. Quando parece que a força dessa união vai vencer qualquer obstáculo, a malícia, o infortúnio e o destino conspiram para transformar os piores medos de Ana em realidade.

Título: Cinquenta Tons de Liberdade
Autor(a): E.L.James
Série: Cinquenta Tons de Cinza #3

Editora: Intrínseca
Ano: 2012
Páginas: 544

O QUE ACHAMOS:

GÊNERO:hot-32

RESENHA

Sério, acabei de reler esse livro e estou aqui me perguntando por que ele foi escrito. Não havia necessidade alguma desse terceiro livro, os dois primeiros já são cansativos demasiadamente para aguentarmos mais 544 paginas de pura enrolação. Eu tenho que parabenizar E.L.James por ter escrito 544 intermináveis paginas de puro nada.

Bom, cinquenta tons mais escuros termina com um pedido de casamento, com direito a muitas flores e o coração do Sr. Grey em uma bandeja. Então 50 tons de liberdade começa do casamento? Negativo. Esse livro começa na lua de mel do casal e com algumas recordações do que aconteceu na festa de casamento, segundo as lembranças de Ana. Confesso que fiquei um pouco confusa. Não sei qual foi a intenção aqui, mas pra mim não funcionou muito bem.

Em se tratando de evolução dos personagens, essa trilogia é bem limitada, Grey continua com muitos problemas, mas eu consegui ver muita mudança em seu comportamento louco, mas ainda esta longe de ser alguém normal.

Meu mundo sempre foi Coordenado, calmo e controlado, então você entrou na minha vida com a sua boca inteligente, sua inocência, sua beleza e sua ousadia… E tudo antes de você era apenas, vazio, medíocre… Eu não era nada.

Ana continua a mesma criança chata, teimosa e desobediente, desobedecendo Grey em tudo, é irritante de se ler. Ah….. Para tudo, ele não é o pai dela…..kkkkkk.

Eu nunca demorei tanto tempo para ler um livro, com exceção do PVO do Grey, que demorei quase uma vida para ler. Muito chato, cansativo, verborrágico, repetitivo e extremamente desnecessário.

Tive a impressão que o livro trata de um eterno epílogo, onde temos a descrição de vários cafés da manhã, jantares, discussões, dias de trabalho, e partes e mais partes de sexo, blá blá blá.

Não vou ser tão chata e dizer que não tem nenhuma novidade, destaque para uma crise de insanidade de Christian. E mais uma cena de ação.

O que dizer da suposta cena de ação? Eu achei tão forçada e mal escrita que não vale a pena ficar comentando muito.

É uma implicância minha ou os pensamentos de Ana estão mais irritantes nesse livro. Frases como “Ai meu menino perdido”, “Oh, meu cinquenta” entre outras estavam dando nós nas minhas tripas e só terminei a leitura porque sou brasileira e não desisto nunca. Ah… A deusa interior tirou uns dias de folga aqui e por misericórdia não apareceu muito.

Christian, você é a bolada da loteria, a cura do câncer, e os três desejos da lâmpada do Aladim em uma coisa só.

Teve algo que gostei nesse livro, no final a Autora nos contempla com uma breve menção dos pensamentos de Christian, quando criança, e foi adotado pelos Greys. E confesso que fiquei bastante curiosa e esperava que tivesse sido mais extenso.

Sério que Cinquenta tons de Cinza foi escrito como uma fanfic de Crepúsculo? Não vou comentar isso porque minha psique estará comprometida após a analise, mas eu só fico imaginando Edward (Robert Pattinson), com um chicote, Santo Cristo seria a comedia mais engraçada de todos os tempos. Fica a dica.

A trilogia acabou, e tenho a dizer que continuo não gostando da história, mas pensando em Christian Grey sendo Jamie Dornan, confesso que posso estar um pouco apaixonadinha….. rs.

Eu amo quando você me toca Ana. Eu sou como um homem morrendo de fome num banquete, quando se trata de seu toque.

Se recomendo? Não.

Romântica por natureza, choro, sofro e vivo as histórias e estou com uma vontade imensa de compartilhar essas emoções.

Posts Relacionados

CINQUENTA TONS DE LIBERDADE – E.L.James

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *