a garota no tremTodas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio por galpões, caixas d’água, pontes, casebres e aconchegantes casas vitorianas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, “A garota no trem” é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

Título: A Garota no Trem
Autor(a): Paula Hawkins
Série: –

Editora: Record
Ano: 2016
Páginas: 378

O QUE ACHAMOS:

GÊNERO: policial

RESENHA

Demorei em começar a escrever sobre esse livro, quando eu termino uma leitura várias ideias vem na minha cabeça, mas esse livro foi um branco total. Depois da última página fiquei sentada olhando para o nada tentando entender tudo, e me fiz a seguinte pergunta. Sério? Acabou? Não vou dizer que o livro é ruim, até porque não é. Mas, francamente não entendi todo o frisson.

Odeio ler livros famosos e aclamados pelo publico, fenômenos editoriais que embasaram Hollywood. Porque geralmente já inicio o livro com a adrenalina no pico, coração acelerado, esperando o tal momento em que terei um troço e me apaixonarei pelo livro assim como todos.

Preciso confessar aqui que quando terminei a leitura a primeira coisa que fiz foi entrar na internet e ver se tinha alguma continuação, sei lá. Porque pra mim explicou tudo, mas na verdade não explicou nada.

Bom, passemos ao livro. O livro é basicamente a história de Rachel, ou basicamente narrado por ela, sei lá. Rachel é uma mulher alcoólatra, deprimida, desempregada, infeliz que viu seu mundo perdido quando foi abandonada pelo marido e trocada por outra. Apenas 02 dias depois que saiu de sua casa, a nova mulher já estava se mudando para lá.

No trem, as lágrimas vêm,, e não ligo se tem gente olhando; talvez pensem que meu cachorro foi atropelado. Ou que fui diagnosticada com alguma doença terminal. Ou que sou uma alcoólatra estéril, divorciada e prestes a morar embaixo da ponte. (Rachel).

Destruída emocionalmente, passa a se destruir fisicamente. E para não ter que explicar a sua colega de quarto que ficou desempregada, por chegar bêbada para trabalhar, passa a mentir diariamente sai de manha e volta a noite, como se estivesse trabalhando. Em suas saídas pega o trem, e passa a reparar em tudo. Inclusive a casa que uma vez foi sua, e acaba fantasiando a vida das pessoas, desenvolvendo uma obsessão por uma casa em especial, onde habita um jovem casal que para Rachel tem a vida perfeita que ela queria, ela os apelida de Jesse e Jason, mas na verdade se chama Scott e Megan.

Numa dessas viagens, acaba vendo uma cena que vira seu mundo de cabeça para baixo. E dias depois fica sabendo pelos jornais que a moça que ela tanto inveja a vida, está desaparecida.

Daí que deveria começar um mega suspense, como diz a capa, O QUE ELA VIU?, que me deixaria de cabelos em pé ao ponto de enfartar, mas eu não consegui ver nenhum suspense, e a bem da verdade desvendei o mistério todo bem cedo.

Se não há suspense, então do que se trata o livro? Um dramalhão sem fim. As narrativas alternam em Rachel, Anna (amante / atual mulher) e Megan. Todas fracas e depressivas. Todas cheia de problemas e obsessões. O livro na verdade é um conjunto de aberrações. Não existe ninguém normal, são todos perturbados, meio psicóticos e muito chatos para ser honesta.

Além das narrativas alternadas o livro faz uma miscelânea de datas, aparentemente é bem confuso, mas com o passar do tempo percebemos o sentido em todo aquele imbróglio. Que por mais estranho que pareça é uma bagunça muito bem ordenada.

Eu esperava mais. Achei os personagens bem rasos, suas psicopatias muito superficiais, com exceção de Megan que teve sua vida dissecada, do mais somente um grande vácuo. Os cenários são descrito muito rapidamente, e o resultado para tanta superficialidade é que não dá para se apegar ao livro.

Às vezes tenho vontade de gritar com ele: Me deixa em paz. Sai daqui. Me deixa respirar. Então, não consigo dormir e estou com raiva. Sinto como se já estivéssemos brigando, embora a discussão só exista na minha imaginação. (Megan)

Não existe um único personagem cativante, que nos faça ter vontade de apoiar. Sei que a vida é dura e não está fácil pra ninguém, mas, pqp a personagem principal é uma chata que apesar da traição e seu sofrimento não conseguimos ter empatia por ela. Sempre bêbada, envolta a vomito e amnesia.

Eu gosto de personagens fortes, decidido, podem até ser uma desgraceira ambulante mas pelo amor, tenha pelo menos amor próprio. E essas mulheres são as piores que já li.

Megan é uma psicopata louca por sexo, que não consegue ficar sem homens. Anna é uma sedutora, infeliz e presa na vida de dona de casa sonhando com seus tempos de amante. E Rachel…. Rachel bem ela é uma confusão.

Ser a outra é muito excitante, não há como negar: É por você que ele não consegue ser fiel à esposa, embora a ame. Você é assim, irresistível. (Anna)

Que homem horrível aquele Tom fiquei com tanto ódio da criatura que minha vontade era entrar no livro e lhe dar um soco na cara. E Scott outro perdedor…. affff. Para não dizer que não gostei de ninguém, eu desenvolvi certa empatia por Kamal, lindo, calmo e tranquilizador.

A escrita da Autora é bem fluída, mas como já disse muito superficial, falou de tudo um pouco, mas não detalhou nada. O livro é bastante envolvente e fiquei o tempo todo aguardado o grande momento que iria ficar tensa com o suspense e histérica com a grande merda. Mas meu histerismo ficou por conta da minha insatisfação.

O que raio aconteceu com Scott?

Apesar de tudo eu gostei do livro, uma trama bem orquestrada, uma teia de intrigas sem pontas soltas. Gostei do que li. Ah…. eu me recurso a assistir ao filme #prontofalei.

Se Recomendo? Talvez.

Romântica por natureza, choro, sofro e vivo as histórias e estou com uma vontade imensa de compartilhar essas emoções.

Posts Relacionados

A GAROTA NO TREM – Paula Hawkins
Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *