sempreHaven Antonelli e Carmine DeMarco cresceram em mundos completamente diferentes. Haven é uma adolescente de 17 anos que nunca conheceu a liberdade. Desde a infância, ela e sua mãe são escravas, vítimas de uma rede de tráfico humano. Carmine, nascido em uma família rica da máfia, viveu uma vida de privilégios e excessos.

Agora, uma reviravolta do destino faz com que seus caminhos se cruzem. Apesar das diferenças aparentes, algo mais sutil os une. E da tênue amizade entre os dois floresce uma paixão inesperada e arrebatadora.

Enredados numa teia de segredos e mentiras, em que o poder e o dinheiro ditam o jogo, o jovem casal logo percebe que é preciso se sacrificar para conquistar a liberdade e o direito ao amor.

Título: Sempre
Autor(a): J.M. Darhower
Série: Forever #1

Editora: Universo dos Livros
Ano: 2015
Páginas: 544

O QUE ACHAMOS:

GÊNERO: 

RESENHA

Quando você sonha é capaz de ir a qualquer lugar.

Livro altamente recomendado por nossa outra blogueira, Vivi, que adorou e praticamente me obrigou a ler. Então iniciei com altas expectativas, logo de inicio já me frustrei, (não sei por que) abandonei a leitura umas 10000000 de vezes, passei milhares de livros na frente e sempre tinha uma desculpa para não ler o infame. Decidi dar um basta nesse meu chilique e falei para mim mesmo, hoje é o dia. Bom, tenho certeza que Vivi não concorda com minhas observações singelas, mas eu preciso compartilhar com todos minha experiência Vamos….

Quando uma sinopse conta exatamente tudo que diz o livro, comece a desconfiar. Pois bem, se eu fosse fazer um resumo dessa história, eu iria copiar a sinopse e não acrescentaria nada. É sério….puta enrolação.

O livro tem 544, mas pode ter certeza de que é possível ler até a página 50 para conhecer os personagens, e seu inicial envolvimento, depois pode pular para 350 mais ou menos, sem perder o conteúdo, sem remorso, sem medo de ser feliz, sem medo de parecer trapaceira. A parte descartada se resume a rotina diária do casal e sua interação.

Não posso negar que as ultimas 150 paginas o livro melhora muitooooo, mas mesmo assim foi bem decepcionante.

Ao longo da leitura, fiquei me perguntando o que estava me incomodando e porque não estava me agradando, porque a leitura não me empolgava. Demorei um pouco para identificar, mas vou tentar explicar.

Carmine é o exemplo de bad boy, filho de mafioso, encrenqueiro, lindo, mulherengo (apesar de ser um adolescente), mas por dentro desse estereotipo rebelde esconde um menino doce, carente e louco para amar e ser amado. Super clichê né…. ainda bem que o básico para por aqui.

Não pense que você precise fazer algo para me impressionar. Ser você mesma já é o suficiente para me manter interessado (Carmine)

Haven, é um paradoxo, um personagem simples e complexo ao mesmo tempo. Simples, pois, por ter sido escrava por toda sua vida, e privada de tudo, a vida é uma grande novidade, tudo é lindo e novo. Comer é novidade, assistir televisão, cinema, restaurante…..tudo uma descoberta. Mas Haven guarda muitos traumas, muitas cicatrizes, e mesmo quando é maltratada agradece porque ainda é melhor o presente do que o passado.

Felicidade não é nada mais que boa saúde e uma memória ruim. (Haven)

Mas pra mim quem roubou a cena aqui foi Vincent DeMarco, o pai de Carmine. Mafioso, muito phoda e cheio de mistério. Passei o livro todo tentando decifrar quem ele era. Homem mal querendo ser bonzinho ou Homem bom se esforçando para ser mal. Acho que as duas coisas. No começo não gostei dele, mas com o passar das páginas, descobrir seus sacrifícios, sua dor, sua perda e por fim seu grande amor por seus filhos e então passou a ser meu preferido.

Porque três pessoas só guardam um segredo se duas delas estiverem mortas. (Vincent)

Bem, o livro é narrado em 3ª pessoa, que possui uma visão global de toda a trama, como se fosse uma entidade superior que inclusive faz julgamentos em alguns trechos. Eu normalmente gosto de livro em terceira pessoa, mas em “Sempre”, não ficou bom.

Existe um grande segredo que envolve o livro e compõe a trama. Mocinho descobre o segredo, o pai dele Vincent sabe, o tio sabe, as árvores, os pássaros, os rios, enfim todos sabem, só eu não sabia. Sabe o que foi pior? Os diálogos em códigos, as frases mal acabadas, os pensamentos vagos, falas sem sentido, tudo isso para que eu, Paula, não descobrisse o segredo, e me punisse lendo as eternas 544 páginas para descobrir o tal secreto.

Porra, segredo que não me empolgou em nada. Sabe aqueles programas da televisão, em o apresentador logo no começo fala que tem uma bomba para revelar, e passa o programa todo mantendo suspense sobre a tal bomba e no final quando você já está alucinado, surtado, mas, ainda na esperança de saber a tal bomba……o apresentador te fala “amanhã revelaremos”…PUTA MERDA….foi assim que me senti. Somente no livro 2 tudo será revelado. Imagina minha cara de felicidade quando acabei o livro.

 

Na vida não existe um botão mágico que possa ser pressionado, fazendo com que tudo volte no tempo; não há como se arrepender ou refazer as coisas que gostaria que fossem diferentes.

O problema desse livro é o narrador, a história tem um potencial enorme, os personagens são sensacionais, mas o bendito narrador estraga tudo, porque a narração não tem emoção nenhuma, é fria e por vezes até chata. O livro é extenso demais, enrola muito, contando tudo nos mínimos detalhes, deixando a leitura exaustiva.

O final é dramático, mas eu não senti nada. Sangue, dor, sofrimento, morte, e eu uma romântica incurável que ama um dramalhão um amor arrebatador, mesmo diante de um entrega total um sacrifício enorme em nome do amor, continuei sentindo nada. Foi frustrante demais. Porque eu queria sentir a dor de Haven, o desespero de Carmine, a mágoa de Vincent….mas eu li tudo isso como se estivesse lendo algo trivial. “ tudo que eu fiz foi amar Haven” (Carmine)

Mas nem tudo foi ruim nesse livro.

O amor entre Carmine e Haven é uma das coisas boas do livro, Carmine é um ogro tentando ser fofinho. Daquele tipo que fala “Foda-se, eu te amo…porra. Mas apesar de toda a excentricidade Carmine é grande, seus sentimentos são intensos, seus atos são sem julgamento, sua mente é sem preconceito, seu coração é quebrado mas ainda está querendo algo e está cheio de amor. Adorei.

Caramba, ele sequer tinha certeza de que ela fosse sua namorada. Tudo de que tinha certeza era que aquela jovem roubara seu coração e não havia como pedi-lo de volta. De repente, num curto espaço de tempo, ela o havia sequestrado, e representava para ele uma parte tão crucial de seu corpo como o próprio ar que respirava.

Gostei muito de Nicholas, amigo/inimigo de Carmine, (aqui mais um segredo para ser revelado no programa de amanha) ingênuo, cheio de piadas ruins, fofo demais. Ainda estou tentando entender o que aconteceu aqui.

A maioria das pessoas conhecia o garoto egoísta, mimado e irresponsável, mas ela tinha a sorte de conhecer quem ele realmente era. No fundo, apesar de um exterior cheio de cicatrizes, ele não passava de uma alma gentil. (Haven)

O tema abordado nesse livro é tão revoltante e importante na mesma proporção. Trafico humano, Deus… o pior é que isso existe. Mas aqui nesse livro ninguém faz nada para acabar ou minimizar. Haven só é resgatada, graças à bondade/insanidade/vingança de Vincent. Também não dá para esperar muito de mafiosos. Aqui não tem herói, são todos vilões ou vítimas.

Sou Brasileira e não desisto nunca, aceito o desafio, vou ler o livro 02, descobri o restante do bendito segredo, me punir mais algumas páginas, ou quem sabe eu goste.

Se recomendo? Não.

Romântica por natureza, choro, sofro e vivo as histórias e estou com uma vontade imensa de compartilhar essas emoções.

Posts Relacionados

SEMPRE – J.M. Darhower
Classificado como:                

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *